artigo do Wikinotícias ... Observatório da Imprensa", na edição 1934 de 7 de dezembro de 2005 da Revista Veja. No artigo Mainardi criticou jornalistas de grandes meios de comunicação do Brasil, que sob seu ponto de vista, ...

Brasil 15 de dezembro de 2005

O jornalista brasileiro Diogo Mainardi escreveu um artigo intitulado "Observatório da Imprensa", na edição 1934 de 7 de dezembro de 2005 da Revista Veja. No artigo Mainardi criticou jornalistas de grandes meios de comunicação do Brasil, que sob seu ponto de vista, estariam a escrever artigos para favorecer Luiz Inácio Lula da Silva e o Partido dos Trabalhadores. O artigo foi mal recebido pelo Observatório da Imprensa que retrucou com críticas a Mainardi. A polêmica continuou durante esta semana, com ambos os lados tecendo comentários e críticas.

Observatório da Imprensa (2)

Na edição de Veja que circula esta semana -edição 1935 de 14 de dezembro de 2005- Mainardi contesta as criticas publicadas contra ele no website de O Observatório da Imprensa em relação a seu artigo anterior intitulado "Observatório da Imprensa".

Semana passada, Alberto Dines, de O Observatório, no artigo: "O macartismo mainardiano em ação", disse que "estão abertas as inscrições para a crítica da imprensa" e que "o número de vagas é ilimitado". Dines chamou Mainardi de "parajornalista", "dedo-duro" e acrescentou: "Se Diogo Mainardi pretende acabar com o lulismo das redações precisa antes acabar com o macartismo da linha Opus Dei que começa a ocupar espaços importantes nas páginas de opinião dos grandes jornais – e no comando das grandes empresas jornalísticas."

No artigo de Veja desta semana intitulado "Observatório da Imprensa (2)", Mainardi disse: "Dedurei um punhado de jornalistas lulistas na coluna da semana passada. Um dos citados foi Alberto Dinees.(...)Mandei uma mensagem à Dines. Pedi-lhe uma lista com o nome de todos os jornalistas ligados à Opus Dei. Ele me aconselhou a ler seus artigos sobre o tema. Eu li. (...)Mas não cita o nome de nenhum jornalista."

Mainardi ainda disse sobre Dines: "Ele é pago para pontificar a respeito da imprensa na televisão pública, na ŕadio pública, na internet, nas universidades. Ele acusa a imprensa de estar tomada por jornalistas da Opus Dei, mas não tem coragem de identificá-los. Eu apontei o nome de uns pelegos lulistas na imprensa, e fui considerado um espertalhão leviano em busca de reconhecimento."

"Dines quer demonstar aos jornalistas que o público não agüenta mais seguir a cobertura do mensalão(...) Claro que é uma manobra desonesta para abafar a crise", declarou.

Diogo Mainardi aproveita ainda para acrescentar novos nomes às usa lista de jornalistas "lulistas": Fernado Morais, Gilberto Dimenstein, Marcelo Beraba, Juca Kfouri, Nelson de Sá, Mario Rosa, André Singer, Ricardo Kotscho e Eugenio Bucci.

A lista de Mainardi

Diogo Mainardi classificou os seguintes jornalistas como "lulistas" ou ideologicamente ligados a algum partido ou movimento de esquerda e que ajudaram na ascensão do Governo Lula.

  • Tereza Cruvinel, do jornal O Globo
  • Kennedy Alencar
  • Franklin Martins
  • Eliane Cantanhêde
  • Luiz Garcia
  • Vinicius Mota
  • Alberto Dines
  • Alon Feuerwerker
  • Paulo Markun, da TV Cultura
  • Paulo Henrique Amorim
  • Ricardo Noblat
  • Leonardo Attuch
  • Mino Carta
  • Fernado Morais
  • Gilberto Dimenstein
  • Marcelo Beraba
  • Juca Kfouri
  • Nelson de Sá
  • Mario Rosa
  • André Singer
  • Ricardo Kotscho
  • Eugenio Bucci

Alberto Dines reage

No artigo: "Quem deu a moedinha a Mainardi? - Acabou a lista negra da Veja!", para a edição desta semana de O Observatório da Imprensa, o jornalista Alberto Dines respondeu ao novo artigo de Diogo Mainardi dizendo que: "além de assumir-se como o patriarca do parajornalismo da Botucúndia" Mainardi "acaba de estraçalhar a celebérrima Lista Negra da Veja".

Dines começou seu artigo com uma citação tirada de uns artigos de Diogo Mainardi para aludir que o jornalista em questão só emite opiniões por dinheiro.

Mais à frente Dines disse que o "Observador não atendeu aos seus insistentes e-mails e recusa-se a dedurar e a delatar". E acrescentou: "Aviltar, malhar, pichar, maldizer e malsinar são as especialidades da nova editoria da Veja". Alberto Dines usou ainda as expressões "jornalismo marrom e a imprensa marrom" numa alusão ao artigo de Veja, ainda que não explicitamente.

O jornalista do Observatório também escreveu "As denúncias contra a submissão da imprensa ibero-americana à Opus Dei não envolvem pessoas nem profissionais. Nossa preocupação é com a Opus Dei instituição, partido, operação político-midiática que, sob diferentes disfarces, infiltra-se nas entidades jornalísticas mais representativas do jornalismo latino-americano para afastá-las do seu antigo compromisso liberal."

Ver também

Página externa

Fontes





  Go to top  

This article is issued from web site Wikinews. The original article may be a bit shortened or modified. Some links may have been modified. The text is licensed under "Creative Commons - Attribution - Sharealike" [1] and some of the text can also be licensed under the terms of the "GNU Free Documentation License" [2]. Additional terms may apply for the media files. By using this site, you agree to our Legal pages [3] [4] [5] [6] [7]. Web links: [1] [2]